Mar, metade de minha alma é feita de maresia

De que tamanho fica tudo à beira-mar?
Onda que vem e vai…
Dizem que leva, mas pra mim sempre traz.
Água te abraça, onda aconselha, dor se desfaz.
Fecho os olhos, mergulho.
Bem lá no fundo, até tocar o chão de areia
[e mais o que encontrar].
Sinto-me envolta por tudo.
A água é meu corpo,
as ondas, meus pensamentos.
Tornamo-nos um só, eu e o mar.

Ao contrário de muitos, minha relação com o mar não se deu na infância. Quando criança não tinha o costume de frequentar praia nas férias. Talvez pela distância do interior ao litoral ser grande, essa não era das melhores opções.
Com o tempo, por influência ou intuitivo desejo, passei  a simplesmente não conseguir mais viver sem uma boa prainha de vez em quando. De lá pra cá foram muitas, por tantos lugares desse mundão a fora.

Já tinha um tempinho que pensava em fazer algum trabalho relacionado ao mar. As ondas já quebravam na minha cabeça, incessantes, me mostrando os desenhos, as cores, formatos e texturas.

Eis que no fim do ano recebi o convite de uma amiga pra passar o Reveillon no Rio de Janeiro. Achei curioso que nenhuma de minhas idas ao Rio em 2015 foram previamente elaboradas ou super planejadas por mim. No entanto, me vi indo e vindo tantas vezes num curto espaço de tempo pra lá. Vou reclamar de quê? :)

Logo me apressei e comecei a preparação das ondas. Pensei em 7.
No Brasil, país cheio de rituais e diferentes crenças, existe esse costume: pular as 7 ondas na virada do ano. Tradição que vem da umbanda, uma maneira de invocar Iemanjá, rainha do mar, para abrir os caminhos para o próximo ano. Dizem que traz boa sorte. Embora já tenha frequentado centro de umbanda por um tempinho, não sou religiosa, tampouco umbandista. Mas respeito todas as crenças e tradições. Acredito que, no fim das contas, todas as religiões (bem, a maioria delas) tem o mesmo objetivo: eliminar o sofrimento das pessoas. Sendo assim, já que estamos aqui, porque não entrar na dança? A vida fica mais leve quando a gente se diverte. Foi pensando assim que achei que seria legal fazer as 7 ondinhas, que, nos dias seguintes à instalação, eu mesma pularia.

Como na maioria das vezes faço no projeto A rua é minha tela, junto com o desenho vem uma frase, inspirada em pensamento, música, poesia, tanto faz. A princípio minha ideia era colocar uma letra de Dorival Caymmi, “O mar”: “O mar quando quebra na praia é bonito, é bonito…”. Me emociono todas as vezes que escuto as músicas de Caymmi e essa toca o coração.

Depois, acabei escutando uma música, versão de Bethânia, chamada “Memórias do mar”. Naqueles momentos em que Bethânia recita lindamente algum poema, ouvi: “Mar, metade de minha alma é feita de maresia”. Pesquisei e encontrei essa poesia linda, de Sophia de Mello Breyner Andresen, grande poetisa portuguesa, que dedicou boa parte de sua obra à este assunto, o mar.

Mar
Mar, metade da minha alma é feita de maresia
Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,
Que há no vasto clamor da maré cheia,
Que nunca nenhum bem me satisfez.
E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia
Mais fortes se levantam outra vez,
Que após cada queda caminho para a vida,
Por uma nova ilusão entontecida.
E se vou dizendo aos astros o meu mal
É porque também tu revoltado e teatral
Fazes soar a tua dor pelas alturas.
E se antes de tudo odeio e fujo
O que é impuro, profano e sujo,
É só porque as tuas ondas são puras.

Não me restaram dúvidas. Arrisquei um lettering e mandei ver!

mare-44a.jpgHá alguns meses, já vinha papeando com a Carolê Marques, carioca, que faz o projeto lindo #meninarendeira, desenhando rendas nos muros por aí. Queríamos fazer um projeto juntas mas sempre faltava tempo ou os horários não batiam. Quando surgiu a oportunidade de ir ao Rio novamente, contei meu projeto pra ela e então nos unimos.

O Lucas registrou tudo com fotos e um vídeo maisquelindo [no final do post]! <3

mare-6mare-7mare-13mare-8mare-14

mare-16mare-18mare-24

A Ladeira do Castro, na Lapa, onde o trabalho foi instalado, está passando por um processo de revitalização através da arte. A maioria dos muros ali estão recebendo diversos trabalhos na rua inteira. Tá ficando lindo que só! Esse projeto foi idealizado pelo grafiteiro Caze, que (claro), também tem vários graffitis por ali.

Ficamos muitos felizes também em sermos as primeiras mulheres a fazer parte desse projeto! Na luta que travamos todos os dias pela liberdade real das mulheres, cada pequena conquista é muito importante nesse caminho. Viva o empoderamento feminino!

mare-26.jpg
Arte por Caze Sawaya

mare-28

Passamos um dia delicioso ali, com direito a suco de laranja e rabanada quentinha que uma senhorinha muito querida moradora da Ladeira foi com gosto levar pra gente. <3

Processed with VSCOcam with kk2 preset

mare-27mare-31mare-32mare-33mare-40mare-42

O trabalho todo teve aproximadamente 5 metros de extensão e 3 de altura.
E pra finalizar, o vídeo lindo que o Lucas fez do processo todo. Espero que gostem, eu amei! :) <3

Anúncios

17 comentários sobre “Mar, metade de minha alma é feita de maresia

  1. Estou apaixonada por seu trabalho e já fiz pesquisas em mandadas, significados, tudo!!! Vi que parecia crochê, aliás as mulheres da família são super crocheteiras, inclusive eu…Que adoro mar, sou artista plástica e estou atualmente em Fortaleza…. Parabéns! Amei!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s