Bem vindos

Dia desses estava aqui escrevendo um release pra enviar para um possível parceiro e chegou a parte em que falo que vivo em São Paulo há mais de 5 anos.
Comecei a lembrar e refletir sobre tudo: como minha mudança pra cá foi repentina e nada programada, visto que, nunca tive o sonho/vontade de morar aqui (mesmo assim, segui a sensação de ser puxada pra cá). A casa provisória. A casa oficial (que demorei a entender se era essa que era a minha ou ainda a outra me pertencia – afinal, qual é o conceito de casa?). As noites e os dias solitários (junto com os milhões de filmes que preenchiam momentaneamente): tanta gente ao redor, mas ninguém por perto.
Os empregos, as mudanças, os amigos novos, os lugares novos, a euforia, ânsia de viver, de ser feliz e ao mesmo tempo me perder um pouco, de não saber quem eu sou, mas querer.

Então veio a busca, que esteve sempre dentro de mim. Mas de um jeito tão bagunçado que eu não entendia. No meio dela, tanta coisa, tanta gente, que ora era alegria, ora frustração. As relações profissionais que muitas vezes me revoltavam, junto com o medo e ao mesmo tempo a coragem de deixar pra trás princípios supostamente estáveis. Tudo tão intenso que em algum momento só poderia fazer sentido.

Hoje, faz mais de 5 anos que fui embora de Bauru (vivo lá e cá), 1 ano que deixei os empregos tradicionais pra trás (que assim permaneça rs), mais de 1 ano que o ateliê Dolorez Crochez me faz feliz, 3 meses que me mudei pra minha 4ª casa em São Paulo (a que mais tem amor) e só agora entendi que, todos os itens acima podem ser citados como caminho, por que sim, tudo é caminho pra se chegar onde está. E isso não tem a ver com amor ou desamor por São Paulo. Nunca tem a ver com a cidade ou com nenhuma das outras questões. Tem sempre a ver com a gente, com nossa forma de olhar e de receber. Eu poderia ter sido feliz em qualquer um dos contextos. Eu só não sabia ainda que podia fazer tudo isso emergir de dentro de mim. Liberdade é escolha nossa.
Os meus pés, agora, estão aqui, tocando o chão. Minhas mãos escrevendo esse texto. Mas, nesse exato momento que vocês estão lendo, eles já não estão mais. Por cada pedaço do caminho que passo ou passei, sinto: nada é mais precioso e sincero do que o agora.

Criei esse blog por uma vontade interna de dividir, compartilhar e de alguma forma ajudar. À mim mesma e à quem puder.
Nele, pretendo compartilhar meus trabalhos com o ateliê Dolorez Crochez, dia a dia, making of de produções, dicas, eventos, instalações nas ruas e também, pensamentos, sentimentos, opiniões, o que me inspira…

Um espaço criado para que eu possa expandir todos os meus lados que caminham juntos, formando parte do que acredito, revelando muito de mim e de Dolorez. Vidas que, ora se misturam, ora se separam. Uma dualidade. Uma espécie de alterego. Dolorez e eu.

dolorezeeu

Anúncios

5 comentários sobre “Bem vindos

  1. Lindo texto…quem te viu pequenininha não imaginava toda esta trajetória, estilo de vivência…mas desejo muito sucesso amigos inspiração. Seja feliz.tia Neusa Bauru/SP

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s